quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

Quem é Paulo Freire, educador brasileiro que virou alvo de Bolsonaro

Um dos nomes mais comentados da educação no país, o educador e filósofo Paulo Freire (1921-1997) virou alvo de duras críticas por políticos conservadores e defensores do Escola sem Partido


Um dos nomes mais comentados da educação no país, o educador e filósofo Paulo Freire (1921-1997) virou alvo de duras críticas por políticos conservadores e defensores do Escola sem Partido.


No governo federal, tanto o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) como o ministro da Educação, Abraham Weintraub, não hesitam em associar a obra de Freire à má qualidade da educação no Brasil e a uma suposta doutrinação marxista nas escolas. Mas, segundo Sérgio Haddad, professor e biógrafo de Freire, o educador era crítico de regimes socialistas e jamais defendeu a doutrinação de alunos.

Método de alfabetização Nascido no Recife, Paulo Freire começou a ganhar atenção por volta dos anos 1960. Naquela época, o educador desenvolveu um método de alfabetização de adultos que considera o conhecimento prévio dos alunos para o processo de aprendizagem.

O modelo foi aplicado pela primeira vez em 1963 para um grupo de 300 trabalhadores de canaviais em Angicos, no Rio Grande do Norte. Registros da época dão conta de que, com isso, a alfabetização aconteceu em um tempo recorde de 45 dias.

O projeto de Freire em Angicos foi financiado pela Aliança para o Progresso, do governo dos Estados Unidos, que via a alfabetização como aliada na luta contra o comunismo.

O resultado da alfabetização em tempo recorde pela metodologia de Freire inspirou o Plano Nacional de Alfabetização, que multiplicaria pelo país a metodologia aplicada pelo educador em um único povoado.

A iniciativa chegou a ser criada por meio de decreto em 1964 pelo então presidente João Goulart. Mas, com o golpe militar no mesmo ano, o programa acabou sendo extinto. Isso porque a metodologia foi considerada subversiva pelos militares —Freire dizia acreditar na educação como uma ferramenta de transformação social.

Em entrevista ao UOL em dezembro de 2018, o biógrafo de Freire disse que o educador "sempre defendeu a não neutralidade da educação" e também "defendia que os professores deveriam se organizar profissionalmente na defesa da sua categoria profissional.

Defesa do diálogo

Ao mesmo tempo, segundo ele, Freire "nunca, em nenhum momento dos seus escritos e da sua prática, advogou a ideia de ser favorável à doutrinação política e ou partidária dos alunos. Ao contrário, sempre defendeu o respeito e o diálogo entre a diversidade de opiniões."

Durante o regime, o educador acabou sendo preso e, depois, decidiu se exilar do país. Em 1968, no Chile, terminou seu livro mais conhecido, "Pedagogia do Oprimido".

Com a publicação da obra, foi convidado a ser professor visitante na Universidade Harvard, nos Estados Unidos.

Em 1980, retornou ao Brasil, onde passou a dar aulas na PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) e na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas).

Entre 1989 a 1991, quando Luiza Erundina (PSOL) era prefeita de São Paulo, foi seu secretário municipal de Educação. Seis anos depois, em 1997, morreu vítima de um infarto. Em 2012, recebeu o título de Patrono da Educação Brasileira pelo Congresso.

Freire é considerado o brasileiro mais laureado com títulos de doutor honoris causa no mundo: pelo menos 35 universidades, de diversos países, já fizeram homenagens a ele.

(Com informações do Portal Uol)