quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

DENGUE: Por que a doença tem avançado em cidades menores?


Em Londrina, cidade com mais de meio milhão de habitantes, até o dia 12 de fevereiro, há exatos uma semana, estava com 639 casos positivos. As informações foram divulgadas na folha de Londrina – AQUI -, um dos principais jornais do estado do paraná. Londrina possui uma população, de acordo com informações do IBGE 2019, de aproximadamente 569.733 habitantes. O que daria pouco mais de 100 casos para cada grupo de 100 mil habitantes.

Em Maringá, em há cerca de um mês, a dengue já voltava a preocupar a Secretaria de Saúde de Maringá. Dados apresentados por meio do Lira, o Levantamento do Índice de Infestação do Aedes Aegypti, mostravam que a cidade estava no chamado alto risco: com índice de infestação predial de 5%. Em três semanas de 2020, o município registrou 77 casos confirmados e 365 notificações. Os dados foram divulgados na quinta-feira, 23 de janeiro desta ano e divulgados pela CBN. AQUI

No boletim do estado do Paraná, que vai de julho de 2019 até há um mês, eram 186 casos confirmados em Maringá, três deles com sinais de alarme. Maringá possui uma população de quase 350 mil habitantes, segundo IBGE, o que daria pouco mais de 60 casos de dengue, até o final de janeiro deste ano, para cada grupo de 100 mil habitantes.

Esses números retratam a verdade de pequenos municípios em epidemia, onde o poder público se descuidou com o LIRA - Levantamento do Índice de Infestação do Aedes Aegypti, não tomando medidas emergências quando surgiu o primeiro alerta para a doença.

Municípios da região da Comcam, muitos deles com pouco mais de 10 mil habitantes, já atingindo números assustadores, alguns superando os 700 casos de contaminação, ultrapassando grandes centros urbanos, e avançando a cada dia.

Agora a luta é de todos e a diminuição da doença, ao chegar a esse ponto, depende ainda mais de cada um.