quarta-feira, 11 de março de 2020

BARBOSA FERRAZ - Dengue: Com uma morte a cada 10 dias, contaminação segue crescendo e já são 1302 casos


Apesar do anúncio da administração municipal de que existiria uma frente ampla de combate ao mosquito Aedes aegypti, os números aumentam a cada dia. 

Barbosa Ferraz registrou no último sábado (7) a 6ª morte de paciente que estava em tratamento de dengue apenas neste ano de 2020, o que dá a incrível média de uma morte, aproximadamente, a cada 10 dias. Talvez no Brasil não tenhamos números como os de Barbosa Ferraz.

A sensação de que tudo está dentro da normalidade se dá mais pela aceitação de que tudo está tranquilo, do que pela ingerência da crise com a dengue, que colocou o município de Barbosa Ferraz em primeiro lugar em infestação em toda a região da Comcam e um dos municípios mais infestados do estado do Paraná.


No último mês, fevereiro, o bispo da Diocese de Campo Mourão, Dom Bruno, esteve em Barbosa Ferraz, celebrando missa de crisma, e fez criticas em relação o problema da dengue.
“Eu estava na Itália e a notícia de que havia morrido uma pessoa por coronavírus no norte do país gerou um stress e uma mobilização geral. Fechou aeroporto, fecharam igrejas, escolas, locais de concentração de pessoas, porque a vida é mais importante. Em Barbosa Ferraz, onde morreram cinco pessoas de dengue e mais de 1.000 estão com a doença, a cidade está na maior tranquilidade”, analisou o bispo.

 
Os últimos números levantados nesta semana, até ontem, terça-feira (10), já passavam dos 1.300 casos positivos da doença. Esses números devem ser muito maiores. Muitas pessoas contaminadas sequer procuram assistência médica e outros tantos buscam ajuda por conta própria, em outros centros maiores.

Ao todo, para um total de até agora 2459 notificações, foram confirmados positivos 1302 casos e outros 1114 exames negativos. 43 casos estão em investigação, aguardando confirmação de exames.

No último levantamento eram 1107 casos positivos e ocorreu um aumento de quase 200 casos positivos. Os números são referentes ao período epidemiológico que compreende agosto de 2019 até agora.

Informações extraoficiais mostram que dentro dos casos que estão sendo tratados, vários deles evoluíram para uma condição mais grave da doença, causando hemorragia nos pacientes.

Recentemente o diretor do Hospital Municipal, Jairo Sadrack, pediu exoneração do cargo e disse que optou por deixar a administração para tratar de questões pessoais.