quarta-feira, 26 de agosto de 2020

BARBOSA FERRAZ: Capela Mortuária em local impróprio volta a ser polêmica na cidade


Uma situação que já virou polêmica e dificilmente sai do papel antes de terminar o mandado do atual prefeito Edenilson Miliossi, é a construção de uma capela mortuária após a venda do prédio da Terceira Idade, que ficava no centro da cidade, na região do centro de eventos. O antigo prédio, construído na gestão da ex-prefeita Elza Marques Gonçalves, foi vendido pela gestão atual para o Supermercado Katuxa, que está ampliando suas instalações. 


Em 2011 a promotoria de justiça já havia entrado com ação civil pública contra a venda – AQUI. 

O antigo prédio era cedido para eventos do grupo da terceira idade, também era usado, às vezes, como capela mortuária no centro da cidade, isso pelo local centralizado, de fácil acesso. Também era utilizado para exposição e recepção durante as festas de aniversário do município.

Um terreno na Vila do Roque foi preparado para a construção e a partir da notícia, iniciou-se nova polêmica. O vereador José Augusto de Macedo (PP) se colocou à frente como um dos críticos da construção, já que o local escolhido pela atual gestão não contava com infraestrutura adequada. 



Nesta semana, um advogado da cidade, um dos mais conceituados de toda região, foi nas redes sociais para dar sua opinião sobre o caso. O advogado postou imagens do local, citou o alto gasto com a obra e cobrou para que a população cobre os vereadores para que o dinheiro da venda do prédio da terceira idade seja usado para ampliar e melhorar a capela que já existe, ao lado do cemitério municipal. 




O prefeito Miliossi vendeu o prédio por R$ 372 mil reais há mais de um ano e a promessa era de que a nova capela mortuária teriam as obras iniciadas no início de 2019, o que não aconteceu e mesmo com a licitação, agora, para a construção, dificilmente será concluída nos quatro meses restantes do atual mandato.