sexta-feira, 4 de setembro de 2020

Áudio registra servidor público pedindo dinheiro a empresário para produzir laudo favorável, diz MP-PR


Uma gravação em áudio registrou uma conversa em que o servidor público estadual que foi preso suspeito de exigir dinheiro para confeccionar laudos, em Ivaiporã, no norte do Paraná, pede R$ 5 mil a um empresário.

O áudio foi divulgado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), nesta quinta-feira (3), e revela uma conversa entre o funcionário público e o empresário que denunciou o caso. Ouça, no vídeo acima.

O servidor foi preso em flagrante pelo crime de concussão, na noite de quarta-feira (2), após receber parte do valor exigido, de acordo com o MP-PR.

A vítima é proprietária de uma empresa de alimentos. O homem contou ao MP-PR que o servidor foi até a empresa realizar uma vistoria de rotina, junto com outros dois funcionários, após ocorrer um acidente de trabalho.

O funcionário público, segundo denunciado ao Ministério Público, pediu o número de celular do empresário e passou a exigir o dinheiro para produzir um laudo favorável para a empresa.

Segundo informações da Polícia Militar (PM), que prendeu o suspeito, caso o pagamento não fosse feito, o relatório do servidor poderia ser prejudicial ao empresário.

Conversa

Em um trecho da conversa com o funcionário público, de acordo com os promotores, o empresário argumenta que não há irregularidades na empresa. Veja, abaixo, na transcrição.

EMPRESÁRIO: "Não dá pra gente fazer o relatório de acordo com o que é certo, que você viu lá mesmo e nós 'tentar' matar isso, cara?"

SERVIDOR: "Se você 'fazer' o relatório do jeito que eu vi lá, você vai levar um monte de multa"

EMPRESÁRIO: "Mas você viu lá, a máquina 'tá' certa..."

SERVIDOR: "Eu sei... só que é o seguinte..."

EMPRESÁRIO: "Não tem coisa errada. É isso que eu não consigo engolir. Porque se tivesse coisa errada, né?"

Em outra parte da conversa, segundo o áudio divulgado pelo Ministério Público, o servidor suspeito propõe que o empresário pague os R$ 5 mil pelo laudo, em dois pagamentos.

SERVIDOR: "Vamos fazer o seguinte: Meio e trinta. Meio agora, e... daqui trinta"

EMPRESÁRIO: "Dois e meio, e dois e meio.. vou gastar cinco mil"

SERVIDOR: "Eu estou tentando te ajudar"

O suspeito, no áudio, garante o parecer favorável à empresa, caso tudo dê certo com o acordo.

EMPRESÁRIO:
Eu vou dar uma conversada, ver se levanto este valor, se eu levantar eu mando menagem para você amanhã. E se eu conseguir levantar você resolve o assunto de vez? Resolve e mata o assunto?

SERVIDOR: Daí eu dou parecer favorável, aí pra você ter uma ideia eu pego até, eu tiro até uma cópia lá e trago na sua mão.

Prisão

O MP-PR informou que a vítima entregou áudios e mensagens e relatou que o servidor exigiu um encontro em um bar, para tratar da negociação.

Junto com uma equipe da PM, o empresário foi até o local marcado e depois de entregar R$ 1 mil para o servidor, o suspeito foi preso.

A PM informou que as notas entregues ao funcionário público no pagamento foram escaneadas antes de serem entregues, para comprovar a prática de crime.

Outro lado


A defesa do servidor Paulo César Bueno Júnior informou que os fatos apurados durante a prisão em flagrante se deram de forma diferente.

O advogado informou que Starsky utilizou-se do seu direito constitucional de esclarecer os fatos em audiência de instrução no fórum, e disse que, atualmente, trabalha para conseguir que o funcionário público responda o processo em liberdade.

De acordo com a defesa, o crime de concussão "suplanta o patamar mínimo legal para arbitramento de fiança pela autoridade policial". O advogado informou que solicitou a liberdade provisória de Starsky, junto ao fórum de Ivaiporã, pois entende que o suspeito preenche todos os requisitos para responder o processo solto.

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) informou que os fatos serão apurados e será aberto um processo administrativo interno. A pasta disse que o servidor investigado trabalha na Regional de Saúde desde junho de 2014.

(G1 com MPPR)