segunda-feira, 5 de outubro de 2020

Evangélico quebra imagem de Nossa Senhora Aparecida por não aceitar santa

Um caso de intolerância religiosa foi registrado na noite desse domingo (4) em Campo Mourão. Um homem evangélico quebrou a imagem de Nossa Senhora Aparecida do próprio irmão, por não aceitá-la no local.

A situação foi registrada por volta das 20 horas, na rua São Josafat, área central da cidade. A vítima, dono de um bar, informou à Polícia Militar (PM) que seu irmão havia quebrado a imagem da santa que ele tinha no interior do estabelecimento. 

O homem relatou ainda que é devoto de Nossa Senhora Aparecida, porém o irmão, que reside na mesma casa é evangélico quebrou a imagem por não aceitá-la no local. O acusado não estava mais no endereço no momento da chegada da PM. A identidade dos envolvidos não foi divulgada pela polícia. Um boletim de ocorrência foi registrado sobre o caso.

Intolerância 

A intolerância religiosa é o desrespeito ao direito das pessoas de manterem as suas crenças religiosas. Pode se considerar como atos intolerantes ofensas pessoais por conta da religião ou as ofensas contra liturgias, cultos e outras religiões. Ações desse tipo, em suas formas mais graves, podem resultar em violência, como agressões físicas e depredação de templos e imagens. 

O artigo 5º da Constituição Federal de 1988 garante que o Estado brasileiro é laico. Já a lei nº 9.459, de 13 de maio de 1997, prevê punição para crimes de discriminação, ofensa e injúria praticados em virtude de raça, cor, etnia, procedência nacional ou religião, cuja pena é de um a três anos de reclusão e aplicação de multa.

Não há uma lei específica que criminalize apenas a intolerância religiosa, e, apesar das garantias constitucionais e da lei 9459/97, esse tipo de intolerância continua sendo praticada diariamente no país.  

(Tribuna do interior)