terça-feira, 22 de dezembro de 2020

BRASIL: Ela bateu na porta e queria apenas comida, virou escrava por 38 anos


Madalena Gordiano vivia em condições análogas à escravidão desde os 8 anos, quando foi adotada por Maria das Graças Milagres Ribeiro, uma professora. Ela era impedida de sair do apartamento onde dormia e tinha como uma das principais funções a limpeza do imóvel, - sem salário, descanso ou férias.

Tudo começou quando Madalena, ainda criança, batia na porta de casas para pedir comida. 
"Fui lá pedir um pão para comer, porque estava com fome e não tinha pão na minha casa, aí ela [Maria] disse: 'Não vou te dar pão, você vai morar comigo'".
Um absurdo! Ao ver uma criança negra, de 8 anos, na sua frente, a professora visualizou o que pretendia ao levar aquela criança para dentro do apartamento. Anos após ser escrava da mãe, o filho, professor universitário, se apoderou de Madalena, que passou a ficar reclusa em um quarto de cinco metros quadrados. Eles ainda obrigaram Madalena a se casar com um parente mais velho, que iria falecer pouco tempo depois e deixaria duas pensões no valor de cerca de 8 mil reais. Madalena nunca teve acesso ao dinheiro. O professor recebia todos os meses o valor há muitos anos. Madalena era mantida reclusa, nunca teve acesso a educação e não era lhe permitido ter contato externo com outras pessoas.

Madalena, em sua ingenuidade, só foi salva quando começou a colocar bilhetes nos apartamentos vizinhos pedindo sabonete e outros itens pessoais. Os vizinhos denunciaram e o caso veio a tona. Agora os envolvidos, mãe e filho, poderão pegar até 20 anos de prisão.

Não existe dinheiro no mundo que seja capaz de reparar os danos que ela sofreu. Foram 38 anos como escrava.

No Brasil ainda existem muitos casos como o de Madalena.